Correios suspendem taxa de R$ 3 motivada por violência

Correios suspendem taxa de R$ 3 motivada por violência

Clientes dos serviços dos Correios não precisarão mais pagar a taxa extra de R$ 3 para mercadorias entregues pela empresa na Região Metropolitana do Rio, a partir de 16 de novembro. A suspensão foi anunciada nesta segunda-feira (22) pela estatal, em coletiva no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, no Rio, que contou com o general Richard Nunes, secretário de Segurança, e Carlos Roberto Fortner, presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Fortner disse que a decisão é justificada pela queda dos indicadores de violência divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), na última semana. O presidente da estatal revelou também que a retirada do valor foi solicitada por Nunes.

“Os índices de segurança, [referentes a] roubo de carga, assalto a carteiros e agências, atualmente, são equivalentes aos do ano de 2012. Com isto, vamos retirar a cobrança dos R$ 3, já está definido. Logicamente, tem um tempo até se atualizarem os sistemas, fazer a reprecificação das tabelas de forma que, a partir de 16 de novembro, a taxa deixe de ser cobrada”, disse.

A taxa é cobrada para cidadãos fluminenses desde março deste ano, sob a justificativa de que o dinheiro fosse revertido para manter a integridade dos entregadores e das mercadorias entregues pelos Correios no Rio.

Quando a medida foi implementada, um carteiro era assaltado a cada quatro horas no estado. Os novos índices divulgados pelo ISP, entretanto, apresentaram redução significante na violência no estado, corroborados por levantamentos próprios dos Correios. De janeiro a setembro de 2017, 2.339 carteiros foram assaltados. Já neste ano, no mesmo período, foram registrados 1.235, uma diminuição de cerca de 47%. Ocorrências de roubo envolvendo veículos pesados da empresa caíram 70% neste ano.

Já no índice de roubos de carga, em geral, a redução também foi impactante. Entre março e setembro de 2017 foram registrados cerca de 6.400 incidentes desta natureza. No mesmo período deste ano, o número ficou em torno de 5.200.

Durante a coletiva, o general Richard Nunes declarou que tem expectativa de que os roubos de carga diminuam ainda mais. Sobre os bons resultados alcançados nos últimos índices do ISP, o secretário exaltou a intevenção.

“Trouxemos para o bojo do trabalho integrado da intervenção federal um crime de competência federal, que é o roubo a veículos dos Correios. Isto contribuiu para a melhora dos resultados”, declarou o general Nunes.

Segundo os dados do ISP, o mês de setembro de 2018 apresentou o menor número de roubo de cargas desde setembro de 2015. No último mês, foram registradas 577 ocorrências, contra 901 do mesmo período de 2017.

O Fluminense

SEM COMENTÁRIOS

Deixe um Comentário